terça-feira, fevereiro 20, 2007

Soneto de Carnaval

Cara de um carnaval

Distante o meu amor, se me afigura
O amor como um patético tormento
Pensar nele é morrer de desventura
Não pensar é matar meu pensamento

Seu mais doce desejo se amargura
Todo o instante perdido é um sofrimento
Cada beijo lembrando uma tortura
Um ciúme do próprio ciumento.

E vivemos partindo, ela de mim
E eu dela, enquanto breves vão-se os anos
Para a grande partida que há no fim

De toda a vida e todo o amor humanos:
Mas tranquila ela sabe, e eu sei tranquilo
Que se um fica o outro parte a redimi-lo.


Vinicius de Morais - poeta brasileiro

7 comentários:

Nelson Ngungu Rossano disse...

Um óptimo carnaval para voçês todos, divirtam-se!!!

:)

É só uma vez por ano!

Abraço e beijo

Andreia do Flautim disse...

Bonito soneto!

Bom carnaval!

Trini disse...

El amor que de una forma u otra sin querer nos hiere...

Saludos

carlota disse...

Olá minha querida e doce lusófona, estou apassar pelo teu cantinho para te desejar um optimo feriado cheio de alegria.
é verdade, eu já te tinha pedido se me deixavas tirar a tua foto para colocar na minha "galeria de amigas"?
Mil jinhos

Maria Muadié disse...

Vinícius, romântico e arrebatado Vinícius... Bela escolha.

Quanto ao carnaval, aqui em Salvador é tão loooongo que até se torna entediante, acredite!
Um abraço,
Martha

Titania disse...

Belo, Belo e Verdadeiro!!
Cada segundo sozinhos parece uma eternidade, cada segundo acompanhados o Paraíso que nos completa.
E um dia... um dia caminharemos de novo sozinhos para nos reencontrarmos logo logo!!

Beijinho

Ana Carolina disse...

Esse é um dos sonetos que eu mais gosto,pois não é tão complicado como outros.Tem certeza que quando Vinicius fez esse soneto ele estava muito espirado.